quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

GRIPEN NAVAL PARA O BRASIL? FX-2 NEWS DEFESANET

SAAB comercializa o Gripen Naval
para a Índia e o Brasil

Robert Hewson,
Editor da Jane’s Air-Launched, em Londres
Jane´s Weekly

A SAAB está respondendo à solicitação da Marinha Indiana por informações (RFI) sobre a futura capacidade dos caças propostos de operar em porta-aviões, oferecendo o novo desdobramento do Gripen NG, denominado Gripen Naval.
O RFI indiano, enviada, nas últimas semanas, a empresas seletas, visa a obtenção de informações detalhadas sobre um projeto de caças comuns, visando sua operação em porta-aviões convencionais e operações conhecidas pela sigla inglesa STOBAR (short take-off but arrested recovery).
Além da entrada (bastante adiada) em serviço do INS Vikramaditya (o antigo vaso de guerra russo da Marinha Russa denominado Almirante Gorshkov, hoje reformado), a Índia tem ainda planos ambiciosos de construir três porta-aviões nacionais (IACs). A licitação de curto prazo do MiG-29K deverá equipar o Vikramaditya e o IAC 1. O RFI da Marinha Indiana está à procura de um tipo de aeronave que possa operar nos IAC 2 e IAC 3.
Uma impressão artística do Gripen Naval mostra o caça decolando de um porta-aviões e equipado com mísseis ar-ar Meteor e IRIS-T e mísseis antinavios RBS 15F (SAAB)
De acordo com informações da Jane’s, o RFI foi enviado Boeing, Dassault, Eurofighter, Lockheed Martin, Sukhoi e SAAB. Embora a Índia esteja desenvolvendo conceitualmente uma versão naval da Aeronave de Combate Leve Tejas, produzida pela Hindustan Aeronautics Limited (HAL), este RFI é, na verdade, um reconhecimento de que este programa tem dificuldades e de que possivelmente não será capaz de produzir uma aeronave de combate operacional, em tempo hábil. A Índia espera comissionar os porta-aviões IAC 2 e IAC 3, na segunda metade da próxima década.
Antes de receber a RFI, a SAAB já havia concluído os pré-estudos para o projeto detalhado do Gripen Naval, em resposta a interesses manifestados anteriormente pelo Brasil e outros países. De fato, projetos para um Gripen Naval remontam à década de 80, na Suécia. Para a Saab, a solicitação da Índia é particularmente importante, em função de suas possíveis conexões com a licitação do programa brasileiro F-X2. O Gripen Naval faria parte de um pacote de desenvolvimento industrial, a longo prazo, destinado à Índia e ao Brasil, se estes países optarem pelo Gripen. O RFI indiano também faz uma estipulação específica de que a aeronave selecionada seja exportável.
O líder do projeto do Gripen Naval da SAAB é o Tenente-Coronel Peter Nilsson, ofcial reformado da Força Aérea Sueca, que agora atua como vice-presidente da capacidade operacional do Gripen. “Há o Rafale, o Super Hornet e – algum dia – até o JSF (Joint Strike Fighter), mas não há nenhuma opção com custo acessível para as nações que buscam poderio marítimo independente. O Gripen já incorpora uma capacidade naval, que foi integrada nas considerações originais de projeto. A aeronave é feita para efetuar aterrissagens precisas em pistas curtas. As características aerodinâmicas, de manuseio e pouso já estão lá. Não é preciso mais gastar energia”, contou Nilsson à reportagem da Jane’s.
A viabilização do Gripen Naval se deve às suas inerentes características de desempenho do Gripen e das mudanças estruturais introduzidas no Gripen NG. Este caça foi projetado para operar em porta-aviões completos, com peso máximo na decolagem de 16.500 kg e um peso de aterrissagem (com armas e combustível) de 3.500 kg. Os mesmos parâmetros básicos de projeto tornam esta aeronave muito bem adequada a operações STOBAR. Qualquer Gripen atual já pode operar de uma rodovia sueca padrão com dimensões de 800 m x 17 m, sem a necessidade de ganchos de arrasto ou freios de paraquedas. Suas qualidades de controle de voo e sua baixa velocidade de aproximação fazem do Gripen ainda mais adequado a operações em porta-aviões.
Algumas das modificações demandadas para o Gripen Naval incluem um trem-de-pouso do nariz mais robusto e longo, pneus mais largos e um novo amortecedor de choques, um novo trem-de-pouso capaz de absorver uma taxa de descida de 6,3 m/s, um gancho de arrasto reforçado e reposicionado em relação ao projeto original, novas técnicas de fabricação/materiais para blindar a estrutura da aeronave contra corrosão, assim como integração com um sistema de aproximação/aterrissagem.
O resultado será uma aeronave com um peso vazio inferior a 8.000 kg e com um peso total de combustível e armamentos de 8.500 kg. O raio de combate deverá ficar por volta de 1.250 km em um perfil de combate naval ou 1.400 km em um perfil ofensivo contra ataque aéreo. Nas operações em porta-aviões, o caça terá uma vida útil de 8.000 horas de voo, levando em conta uma distribuição mais homogênea entre operações em navios e baseadas em terra.
De acordo com Nilsson, as atividades de projeto, já feitas até então, estão seriamente conectadas ao Gripen NG e possuem uma base muito real. Quando perguntado sobre as dificuldades inerentes à transformação de um caça baseado em terra em uma aeronave operando de porta-avião, Nilsson respondeu: “Se você estivesse começando com um caça comum, aí sim haveria um problemar”.
“Temos um motor (F414 da General Electric) aprovado para operações navais pela Marinha dos EUA. Estudamos minuciosamente as trajetórias de carga na estrutura da aeronave. O Gripen já é feito para aterrissagens com altas taxas de descida, em suas operações a partir de rodovias. Portanto, precisamos de novos trens-de pouso, inclusive para o nariz e vamos também mudar algumas partes da estrutura interna. Isso já foi analisado e sua viabilidade já foi constatada. Introduzimos um gancho de arrasto no Gripen NG oferecido à Noruega. Isso terá de ser reforçado para operações navais, com um novo ponto de fixação, mas o trabalho já está lá. O projeto da fixação da asa no corpo do atual Gripen NG foi aprimorado, com uma trajetória de carga mais distribuída, em comparação com o Gripen convencional.
“O Gripen já está preparado contra corrosão salina. Não há necessidade de maiores estudos e já temos uma aeronave capaz de operar em uma ampla faixa de temperatura que varia de -50 C a +50 C, desde regiões árticas a regiões quentes em altas altitudes, com altos índices de umidade. Não fazemos caças para dias ensolarados e festivos”.
DNTV

Vídeo da SAAB Apresentando a proposta do Gripen NG BR
DEFESA@NET

Proposta melhorada do Gripen ao Brasil
A SAAB submeteu à Força Aérea Brasileira (FAB) uma proposta
atualizada de sua oferta de 36 caças Gripen Nova Geração (NG).
http://www.defesanet.com.br/01_lz/fx2/01_sb_offer.htm
 


O Gripen NG a toda velocidade
http://www.defesanet.com.br/01_lz/fx2/01_sb_ng.htm

O RADAR AESA DO GRIPEN NG PARA OS CÉUS BRASILEIROS - Junho 2009
http://www.defesanet.com.br/fx2/gripen_aesa.htm

Capacidade de supercruzeiro do Gripen - Janeiro 2009
http://www.defesanet.com.br/fx2/gripen_cruise.htm

Entrevista com Bengt Janér - "O Gripen é a melhor escolha" - Setembro 2008
http://www.defesanet.com.br/fx2/gripen.htm

Gripen Demonstrator (Demo)- O futuro já está aí! - Abril 2008
http://www.defesanet.com.br/md1/gripen_02.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe, deixe seu contato!

AeroCounter