Serviço de resgate aeromédico DRF Luftrettung alemão registra 38.000 missões durante 2011

Helicópteros do operador de resgate aeromédico alemão, DRF Luftrettung, baseados em 31 locais na Alemanha, Áustria e Dinamarca, voou um total de 38.366 missões, com 35.075 horas voadas só na Alemanha – um aumento de 3% em relação ao ano anterior.

De acordo com a DRF, cerca de 16% das missões na Alemanha envolveram vítimas de acidentes de carros ou em lazer.
“Todo paciente de emergência tem que ser transportado para um hospital por um helicóptero. Durante vários anos o sistema de saúde alemão vem sofrendo alterações estruturais, por exemplo, uma especialização de clínicas. Nossos helicópteros podem cobrir grandes distâncias rapidamente e, portanto, têm uma vantagem crucial para fornecer aos pacientes um tratamento ideal, especialmente em áreas rurais, portanto, o resgate aeromédico na Alemanha está ganhando cada vez mais importância. ”, disse Steffen Lutz, CEO da DRF Luftrettung.

A DRF também tem impulsionado suas operações à noite. Oito das 31 bases já estão em operação 24/7 com os pilotos usando óculos de visão noturna (NVG). Durante 2011, uma em cada cinco missões foi conduzida durante a noite.

Fora da Alemanha, DRF Luftrettung voou, em 2011, 2.379 missões com seus helicópteros (duas bases na Áustria e uma base na Dinamarca).

O helicóptero dinamarquês com o sinal de chamada: “Rescue Air 01″ voou 683 missões. A DRF diz que o número de missões prova que a primeira base HEMS dinamarquesa, em Ringsted, na ilha de Zelândia, tem sido bem sucedida. A aeronave dinamarquesa é operada pela Falck DRF Luftambulance A/S, um consórcio da DRF Luftrettung e o serviço dinamarquês de resgate Falck A/S.

As duas aeronaves austríacas, baseado em Reutte no Tirol e Fresach na Caríntia, voou um total de 1.696 missões. A maioria das missões na Áustria estão relacionadas a emergências neurológicas, como a apoplexia e ataque cardíaco. Eles também são acionados para vítimas de acidentes de esqui nas montanhas.


Fonte: RotorHub, por Tony Osborne em Londres. Tradução: Eduardo Beni / Piloto Policial.

Comentários