2ª Mostra BID Brasil 2013

Por Roberto Valadares Caiafa
08/10/2013

2ª Mostra BID Brasil 2013

Para um país do porte do Brasil é muito importante ter uma base industrial de defesa sólida. A avaliação foi feita pelo ministro da Defesa, Celso Amorim, em discurso, nesta sexta-feira (4), por ocasião da abertura da II Mostra BID Brasil. O evento realizado na Base Aérea de Brasília atraiu cerca de 70 empresas dos setores de defesa, hospitalar, software e alimentação. Na oportunidade, Amorim anunciou que até o fim do ano o ministério já terá condições de capacitar as primeiras empresas estratégicas de defesa. “O governo da presidenta Dilma Rousseff tem trabalhado de forma intensa em favor do desenvolvimento da indústria brasileira”, afirmou o ministro ao explicar que, nos primeiros meses do governo, foi enviada ao Congresso Nacional a medida provisória que resultou em lei que fortalece o segmento de defesa nacional. A lei já foi regulamentada. “Evidentemente que é muito importante para um país como o Brasil ter uma base industrial de defesa sólida”, contou o ministro.
Para o ministro Celso Amorim “O governo da presidenta Dilma Rousseff tem trabalhado de forma intensa em favor do desenvolvimento da indústria brasileira” (Todas as fotos: Roberto Caiafa)
Palestra de apresentação da ABIMDE para delegações estrangeiras, proferida pelo seu vice presidente, almirante Pierantoni
 
Celso Amorim conhecendo a Spark DSK 710 da Condor (dispositivo elétrico incapacitante), os modernos aviônicos e tecnologias da AEL Sistemas (acima) e os mísseis MAR-1 antiradiação (do qual fala-se em um interesse de compra dos Emirados Àrabes Unidos) e MSS 1.2 AC anticarro, ambos fabricados pela Mectron em São José dos Campos (abaixo)
  
 
Na Avibras, as delegações estrangeiras puderam conferir o novo míssil cruise brasileiro, denominado AV-TM 300 (300 km de alcance), e seu veículo lançador, o Astros II MK.6, base do futuro Astros 2020 (abaixo)
 
Amorim visitando as barrcas e abrigos de campanha da IMBEL, conhecendo os sofisticados equipamentos usados para detecção de explosivos, agentes químicos, biológicos ou radiológicos e substâncias suspeitas (acima), ou conhecendo detalhes do novo Guarani 6x6 junto com o comandante do Exército, general Enzo Peri. Na foto a direita, abaixo, o ministro, rodeado de altoridades, militares e convidados, posa para a foto em frente do hangar do Correio Aéreo Nacional
 
Amorim explicou que um dos principais motivos para esse fato está na necessidade de o país ter a própria autonomia para desenvolver o parque industrial. “Nós, que somos um país pacífico, que vivemos em paz e em cooperação com os nossos vizinhos, fato que é ilustrado aqui com a presença de vários representantes desses países, mas não podemos excluir os riscos no futuro”, afirmou. E continuou: “E se esses riscos ocorrerem nós teremos que ter a capacidade de, pelo menos, produzir o essencial daquilo que é necessário para enfrentá-los”. O ministro enfatizou que outro aspecto da indústria de defesa é o tecnológico. Segundo ele, até quando se trata de produtos manufaturados, como o têxtil, a aplicação desses produtos na área militar é especializada. Ele citou também o desenvolvimento tecnológico nas áreas biológica, química e nuclear, bem como cibernética. “Evidentemente que a base para o mercado tem que ser o próprio Brasil. Se nós não compramos os nossos produtos, ninguém irá se interessar. Mas também nenhuma indústria de defesa consegue sobreviver se não tiver inserida no mercado internacional”, explicou. Para Celso Amorim, é importante que ocorra evento como a Mostra BID Brasil para abrir as portas da indústria nacional ao mercado externo.
O 100% nacional MAN VW Constellation 31.320 6x6 Militar – 10 QT continua em provas com o Exército Brasileiro, tendo apresentado até o momento ótimo desempenho nos testes a que vem sendo submetido
Radar SABER M-60 da BRADAR e seu terminal tático do operador, de tipo "toughtbook" reforçado para uso militar
 
Camera termal da Ares e imagem gerada do pátio do evento (acima), kit de dispositivos não letais da Condor e veículos de apoio logístico e de engenharia, tudo 100% fabricado no Brasil (abaixo)
 
 
O radar SCP-01 Scipio e os mísseis A-Darter e MAA-1B: tecnologias de ponta da Mectron (acima), o novo shelter MTO TKV 1 fabricado pela Truckvan e montado sobre plataforma Agrale Marruá, presente também na versão de patrulha e reconhecimento armado (abaixo)
 
Indústria de defesa
Na cerimônia de abertura da mostra foi lançado o chip CTC 13001T, produto desenvolvido no país que tem por finalidade a rastreabilidade de equipamentos militares e civis. Em seguida, as autoridades percorreram os estandes da mostra. O ministro conheceu armamentos, escudos, aparelhos de radiofrequência, protótipos de vant (veículo aéreo não tripulado), barracas para hospitais de campanha e alimentos especialmente preparados pela indústria para o consumo das tropas em missões, mas que também podem ser consumidos pelo cidadão na merenda escolar ou adquiridos nas gôndolas de supermercados.
Bomba guiada SMKB 82
VBTP-MR 6X6 Guarani, da IVECO Defesa
O C-95M Bandeirante modernizado, do 4º ETA, e seu moderno cockpit digital e interior restaurado (abaixo)
 
 
O balão de vigilância perimetral da ALTAVE (acima) e caminhões militarizados fabricados no Brasil pela Ford e Volkswagen (abaixo)
 
Do lado externo do hangar da Base Aérea, o ministro viu carros de combate, como o blindado Guarani, entrou na cabine de um avião Bandeirante e pousou para foto perto de uma carreta carregada por dois tanques Cascavel. O equipamento foi trazido do Suriname por um navio da Marinha e recuperado. Na próxima semana, ambos serão enviados para Paramaribo, capital daquele país sul-americano. A II Mostra BID Brasil terminou neste sábado, quando a Força Aérea Brasileira (FAB) promoveu no mesmo local o evento “Portões Abertos”. Na oportunidade, as pessoas que foram à Base puderam conhecer os equipamentos colocados em exposição pela indústria nacional. A FAB estima que durante o período passaram pelo local cerca de 20 mil pessoas.
 
Celso Amorim (MD), general Enzo Peri (comandante do EB) e o general Mattioli (Deprod) confraternizam com militares do Suriname durante a entrega de dois blindados Cascavel recuperados e modernizados no Brasil
O terminal do Sistema de Controle Tático SICONTA, da SIEM COMSUB
NaPa de 500 toneladas classe Macaé, oferecido pela ENGEPROM
 
Torre de iluminação móvel para grandes ambientes, e roupas e uniformes militares de grande complexidade e capacidade para fornecer proteção balística: indústria brasileira diversifica opções no mercado de Defesa
Vista de parte dos estandes da área coberta, montados no interior do hangar do Correio Aéreo Nacional, na Base Aérea de Brasília

Comentários