III Workshop de Simulação e Tecnologia Militar


III Workshop de Simulação e Tecnologia Militar

ECOS do WSTM 2013

De 15 a 17 de outubro, o Exército Brasileiro, por meio do Comando de Operações Terrestres (COTER), apoiou a realização do III Workshop de Simulação e Tecnologia Militar (WSTM), com o tema "Soldado do futuro: o papel das tecnologias na capacitação do combatente". 
          
O evento teve como objetivo principal aproximar indústria, acadêmicos e militares, para um contato atual com os produtos e tecnologias de simulação de treinamento. A cada dia foi apresentado aos participantes um panorama global das atividades de pesquisa, ciência e instrumentalização militar. Além disso, houve uma feira de tecnologia com a participação de cerca de 50 empresas, nacionais e estrangeiras, desenvolvedoras de equipamentos e sistemas na área de tecnologia militar e simuladores.
Durante o evento, realizou-se um seminário técnico no qual as Forças Armadas brasileiras discutiram temas relacionados ao seu âmbito, seu planejamento estratégico e em que pretendem investir nos próximos anos. Nesta edição, foi dada grande ênfase ao Projeto COBRA (Combatente Brasileiro), visando identificar players internacionais que tenham interesse em produzir materiais militares no Brasil.
A abertura do III Workshop de Simulação e Tecnologia Militar foi realizada pelo Comandante do Exército, General de Exército Enzo Martins Peri, e contou com a presença de oficiais-generais do Alto-Comando do Exército, expositores, convidados civis e autoridades militares.
O general-de-exército Enzo Peri, comandante do Exército Brasileiro, abrindo oficialmente o WSTM 2013 (acima) e recebendo das mãos do editor-adjunto da revista Tecnologia & Defesa, Sr. Paulo Maia, a edição Nº 134 "FT Biguá, Paraquedistas na Amazônia" (abaixo)
Durante o seminário realizado paralelamente a feira de tecnologia, entre os temas expostos, foi dada grande enfase ao Projeto COBRA (Combatente Brasileiro) e o planejamento estratégico para os próximos anos (acima)
O grupo francês Safran, agora também associado à Optovac (acima), tende a tornar-se presença cada vez mais marcante no País e com olhos em diversos projetos das Forças Armadas. No âmbito do Exército, por exemplo, Tecnologia & Defesa apurou que o programa FELIN (abaixo), do Exército Francês, está passando por reformulações que tendem a deixá-lo mais flexível – sem atuar na sua eficiência – o que pode vir a facilitar conjugações com o COBRA, do Exército Brasileiro. Na mostra em Brasília, dentre outros sistemas, os franceses divulgaram sua linha de binóculos multifuncionais infravermelhos resfriados de longo alcance (abaixo).
 
A Rockwell Collins, gigante norte-americana já de longa tradição no Brasil, e parceira em diversos programas de empresas nacionais, divulgou, principalmente o sistema de simulação e treinamento T-Bos para helicópteros Blackhawk, o qual tem a particularidade ser transportável em contêineres. Também não deixou de lado sua linha de aviônica virtual, voltada à simulação para diversos tipos de aeronaves.
A alemã KMW, já instalada em Santa Maria (RS) para prestar todo o apoio aos blindados Leopard e Gepard adquiridos pelo Exército Brasileiro e para participar do desenvolvimento de futuros projetos nessa área, apresentou um conjunto completo de simuladores para o novo VBTP-MR Guarani, abrangendo um eventual Centro de Treinamento. O sistema permite o treinamento em todos os ambientes de emprego, incluindo o anfíbio (uma exclusividade da KMW), que se constitui no seu diferencial. O grau de realismo proporcionado chega ao detalhe de poder simular diferentes condições de mar/correntezas e variações de terreno firme ou submerso. O produto desenvolvido pelos alemães foi adquirido pelos Estados Unidos para os Striker e uma variação também foi fornecida ao USMC para os AAV (Clanfs). Foi ainda promovido pela empresa um sistema de simulação para escavadeiras, demonstrando as possibilidades de emprego dual, hoje tão necessárias e solicitadas no mercado.
A AEL Sistemas S/A, valendo-se da comprovada tecnologia israelense, levou para Brasília diversas de suas opções para a área tais como o Sistema de Treinamento de Combate ao Vivo (LCTS - visto abaixo) para aplicações táticas conjuntas; simuladores para o VBTP-MR Guarani que abrangem desde a formação básica ao treinamento conjunto da tripulação; sistemas para operadores de helicópteros; e soluções visando aplicações em segurança pública (HLS) que podem criar complexos ambientes emergenciais para o treinamento de equipes de policiais, bombeiros e defesa civil, dentre outros.
Em conversa com Márcio Dantas, diretor-executivo da PRIMEBDN, promotora da WSTM, Tecnologia & Defesa apurou que o evento, já em sua terceira edição, passa agora a ser anual e com o objetivo de continuar a ser realizado nas dependências do Quartel-General do Exército, já que é uma iniciativa do Comando de Operações Terrestres (COTER). Segundo ele, o WSTM não tem por meta concorrer com qualquer outra mostra voltada às Forças Armadas, mantendo-se dentro da sua concepção original, ou seja, pequeno, mas denso, com os seminários ocorrendo por conta do COTER, conforme acordado no início com o órgão da Força Terrestre. O próximo WSTM deverá acontecer entre julho e agosto de 2014.
O Simulador Tático de Infantaria a Laser (STIL), um dos destaques no estande da SAAB, já é empregado com sucesso no Brasil pelo Corpo de Fuzileiros Navais nos treinamentos da tropa e está baseado nos simuladores ativos, que proporciona, ao usuário, o realismo necessário no adestramento de sua proficiência para o tiro e para sua destreza operacional no campo em um ambiente tático. Com um sistema de treinamento escalonável e passível de expansão, tem capacidade de ser aumentado em um contexto de treinamento instrumentado.
A cearense Armtec Tecnologia em Robótica, pequena empresa hospedada na Universidade de Fortaleza – Unifor – associou-se a Synergy Defesa e Segurança ( e contando com o financiamento do FINEP) para projetar e construir robôs anti-bombas dotados de um braço mecânico articulado e propulsado capaz de recolher, sobre o controle de um operador a distância, usando câmeras on-board e controle remoto, pacotes suspeitos como essa mochila comumente empregada pela população no seu dia a dia. O uso do robô poupa vidas humanas e traz enorme segurança e agilidade as operações anti-terror.
A Quantum 3D trouxe ao WSTM 2013 o ExpeditionDI ®,uma solução totalmente imersiva para simulação e treinamento de infantaria. Ela fornece uma plataforma de arquitetura aberta para a integração de simulação e software de jogo. O sistema baseia-se no êxito da investigação conduzida pela CG2 (uma subsidiária integral da Quantum3D), que entregou o sistema DAGGERS ao Exército dos Estados Unidos. O ExpeditionDI ® proporciona um ambiente de treinamento coletivo, onde os participantes estão imersos em conjunto em cenários virtuais que os desafiam a se mover e agir como indivíduos, e ainda assim manter a comunicação e coordenação necessários para funcionar efetivamente como uma equipe. Os sistemas podem ser ligados em rede para exercícios de maior escala para apoiar armas combinadas e treinamento das forças conjuntas.
 
Todas as fotos do evento: Tecnologia & Defesa

Comentários