FAB cria regras para controlar tráfego aéreo na região serrana do Rio de Janeiro


20.01 - Nova Friburgo:  O helicóptero do Exército sofreu uma queda na localidade de Campo do Coelho, em Nova Friburgo. A aeronave modelo Esquilo se .... Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Helicóptero do Exército sofreu uma queda na localidade de Campo do Coelho, em Nova Friburgo
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O intenso tráfego de aeronaves que circulam pelos céus da região serrana do Rio de Janeiro desde o dia 12 de janeiro, quando as chuvas provocaram desabamentos em sete cidades, trouxe um novo tipo de preocupação para as autoridades locais: a coordenação do espaço aéreo. Para facilitar o trabalho das equipes que fazem os resgates de sobreviventes e as entregas de donativos, a Força Aérea Brasileira (FAB) criou medidas para organizar as rotas de voos na região.
De acordo com a FAB, a estimativa é de que 50 helicópteros de pelo menos 10 órgãos estejam sobrevoando as cidades afetadas pela tragédia, sem contar as aeronaves particulares. O Exército informou, porém, que a queda de um de seus helicópteros na quinta-feira não teve nenhuma ligação com o grande fluxo de aeronaves na região.
"Uma comissão está investigando as causas e deve fornecer um laudo daqui a no máximo 30 dias. Mas descartamos conflito de voos porque o acidente foi em área totalmente isolada, não havia outro helicóptero por perto", afirmou o relações-públicas do Exército major Rovian Janjar.
Desde a semana passada, foi criado o serviço de informação de voo para orientar as equipes. Todos os pilotos foram sintonizados na mesma frequência de rádio, na qual informam o que estão fazendo e comunicam todos os pedidos de socorro que avistam pelo caminho. Os helicópteros particulares que estão entregando donativos nas regiões também foram orientados a entrar na mesma frequência.
"O sistema de coordenação foi criado para não ocorrer conflito de aeronaves e planos de voo. É importante porque o número de aeronaves aumentou muito nas cidades e, dessa forma, evitamos problemas", disse o chefe da Divisão de Relacionamento com a Imprensa da FAB, coronel Henry Wilson Munhoz. "O profissionalismo é a nossa base para o trabalho. Foi isso que nos permitiu um número tão grande de salvamentos, sem nenhum registro de problemas", afirmou.
Outra medida adotada para garantir a segurança da tripulação e dos passageiros durante os voos foi a criação de três estações meteorológicas para a "leitura" das informações climáticas, que podem influenciar e indicar as condições ideais para as decolagens. Os equipamentos de última geração captam, em tempo real, as condições do vento, temperatura e umidade do ar, permitindo aos operadores traçar rotas de voos mais seguras.
"É um cenário assustador", diz piloto
O trabalho das aeronaves na região serrana não tem trégua. Dia e noite, equipes se revezam no transporte de sobreviventes de regiões ilhadas, resgate de corpos e distribuição de água e alimentos. Só a FAB realizou mais de 90 missões até este sábado. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi responsável por 820 resgates de vítimas - 645 delas com vida.

Para quem está há dias no ar e longe de casa, cada ação se torna um marco. Durante um sobrevoo em Santa Rita, distrito de Teresópolis, semana passada, comandantes do helicóptero da Polícia Civil se emocionaram ao ver do alto o tamanho da destruição provocada pelas chuvas. "É um cenário assustador. Nunca tinha visto algo assim", comentou um dos pilotos.
Do alto dos seus 30 anos no Exército, 20 deles como piloto, o tenente-coronel Silva Júnior afirma que a missão de salvar vidas em meio à devastação que se abateu sobre o município de Teresópolis foi a mais marcante de sua carreira. O oficial destaca dois resgates de maior emoção. O primeiro, logo após a tragédia, foi o de um grupo de idosos, perdidos em uma localidade devastada. "Os olhares de gratidão deles foram tocantes demais. Se não tivéssemos localizado o grupo, eles não teriam chance de sair nem de sobreviver", afirmou.
O outro salvamento que ele fez com a aeronave do Exército foi de uma família de 15 pessoas, sendo 13 delas crianças. O resgate fez o oficial lembrar da própria família. "Deixei minha mulher em casa, grávida de cinco meses, e minha filha de 10 anos para estar aqui. Elas entendem que salvar vidas é a maior recompensa que posso ter como militar e como cidadão. O que conforta o cansaço e a saudade de casa é saber que pude ajudar muitas pessoas", disse.
Reconstrução: infraestrutura, aluguel social e programas habitacionais
Passada a necessidade de ajuda emergencial à população logo após a tragédia, é hora de se pensar na reconstrução das cidades devastadas. Ainda não há um cálculo oficial dos prejuízos e de quanto será gasto para recuperar serviços públicos, moradias e plantações prejudicados, além da ajuda econômica para áreas afetadas.

De acordo com o secretário estadual de Assistência Social, Rodrigo Neves, a estimativa é de que sejam gastos pelo menos R$ 2 bilhões na reestruturação de sete cidades serranas. Neste planejamento, 3 frentes são o foco do governo: o aluguel social para 7 mil famílias desabrigadas, que custará R$ 40,8 milhões aos cofres públicos; a integração, no fim de 12 meses, dessas famílias aos programas habitacionais; e um plano de infraestrutura, para reerguer pontes, refazer ruas, estradas e outros serviços perdidos.
"Temos também um plano de reestruturação econômica para apoiar pequenas empresas, setor têxtil e agricultores familiares, através de financiamento do estado com fundos no valor de R$ 400 milhões, disponibilizados pelo BNDES. Nossa meta é de que 2011 seja o ano da reconstrução desses locais. Toda a nossa dedicação é pequena diante do sofrimento que essas famílias estão passando", afirmou o secretário.
Chuvas na região serrana
As fortes chuvas que atingiram os municípios da região serrana do Rio nos dias 11 e 12 de janeiro provocaram enchentes e inúmeros deslizamentos de terra. As cidades mais atingidas são Teresópolis, Nova Friburgo, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), choveu cerca de 300 mm em 24 horas na região.

Veja onde foram registradas as mortes
O Dia
O Dia - © Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.

Comentários