INDRA PARTICIPA DA CONCEPÇÃO DO FUTURO SISTEMA DE GESTÃO DE EMERGÊNCIAS EUROPEU



  • A companhia colabora no projeto de P&D CRISYS que é parte do 7º Programa Marco
  • Os parceiros estão apresentando as conclusões do projeto finalizado com êxito
  • A Indra fornece sua experiência como líder europeu na implantação de centros de emergência e soluções para coordenar agências de segurança pública

A Indra, uma das principais multinacionais de TI da Europa e América Latina, está participando do projeto CRISYS, na definição de um plano estratégico para melhorar a coordenação de emergências na União Européia.

O consórcio de 15 agências que trabalham no projeto concluíram a primera fase do mesmo com a apresentação de um plano para colocar em curso um sistema de gestão de emergências no continente. O CRISYS  é um projeto de P&D que começou em fevereiro de 2011 impulsionado e financiado pela União Européia, dentro do 7º Programa Marco.

O objetivo geral dos projetos da área de Resposta a Situações de Crises do 7º Programa Marco é equipar a UE com as habilidades e tecnologias para gerir emergências que afetam os estados membros, assim como sua aplicacão em ambientes locais, regionais e nacionais. Estas habilidades permitão restaurar a segurança em caso de desastre em grande escala e de dimensão européia.

Incêndios florestais, inundações, acidentes industriais ou deslizamentos de terras podem gerar situações que excedam a capacidade e fronteiras de um determinado país. Estes tipos de emergências exigem que corpos de segurança, militares e equipes médicas se coordenem e que as autoridades de vários países trabalhem de forma conjunta. Para isso, é imprescindível estabelecer procedimentos e sistemas de gestão de crises interoperacionais.

A equipe de trabalho do projeto CRISYS  definiu os requisitos necessários que deve ter o demonstrador do que será apresentado na segunda fase do projeto e propôs o plano de trabalho a seguir para ser colocado em prática. Este protótipo irá comprovar se o desenho do futuro sistema de gestão de emergências está adequado.



As funções que o sistema deverá cumprir são assegurar a capacidade de coletar informação precisa de forma rápida, facilitar a tomada de decisão coordenada e dirigir a aplicação dos recursos necessários para responder ao desastre e recuperar a normalidade.

Colocar em curso um sistema com estas características requer implementar distintas tecnologías, mas também revisar os processos que seguem os organismos e forças de segurança envolvidos, formar pessoal e verificar como circula e flui a informação.

Por este motivo, foi levado em conta especialmente as contribuições dos atores intervêem neste tipo de desastre. Responsáveis de diversos corpos de segurança e emergencia europeus estão contribuindo com sua visão realista sobre as necessidades e problemas que detectam no dia a dia. A Indra, por sua vez, tem oferecido assessoria tecnológica e a experiência na implantação de sistemas de segurança cidadã e gestão de emergências.

A Indra é pionera na implantação de centros de comando e controle para a gestão de emergências. Após os atentados de 11 de Março de 2004, a cidade de Madri encomendou para a  Indra a concepção e implantação de um sistema deste tipo. Atualmente, qualquer incidência que se produza na capital da Espanha é gerida pelo Centro Integrado de Segurança e Emergências de Madri (CISEM), desenvolvido pela Indra. Posteriormente, a companhia se responsabilizou por dotar a Unidade Militar de Emergências com um avançado sistema de comando e controle a partir do qual se dirige e coordena todas as atuações deste corpo em território espanhol. Deste centro, batizado como SIMGE, é possível administrar simultaneamente situações de crises de diferentes tipos e em diferentes partes do territorio. A Indra também implantou um sistema de gestão de emergências para o corpo de bombeiros para a  Generalitat de Catalunya e soluções avançadas na América Latina.

Também a  Agência Européia de Defesa encomendou a um consorcio que a Indra participa, a definição do futuro Sistema de Comando e Controle Europeu para responder às Ameaças NRBQe (Nuclear-Radiológica, Biológica, Química e Explosivos),.

Parceiros do projeto
Os integrantes do projeto CRISYS  são a Organização Européia para  Segurança (EOS), Edisoft,  Centro de Estudos de Segurança, Centro Nacional de Investigação Científica, Altran BV, Associação Internacional de Serviços de Incêndio e Salvamento, Teletron Euroricerche Engenharia de Segurança, Indra,  Thales, Ministério do Interior da Finlândia (Serviços de Resgate), Universidade Central Lancashire, Sociedade Francoise de Medicina de Catástrofe, Instituto Internacional Affari, Zanasi Alessandro e Transelectrica.

Indra
A Indra é uma das principais multinacionais de tecnologia da informação da Europa e América Latina. É a segunda companhia européia de seu setor por investimentos em P&D, com mais de 500 milhões de euros investidos nos últimos três anos. As vendas em 2011 alcançaram 6,2 bilhões de reais e a atividade internacional já representa 50%. Conta com mais de 36.000 profissionais e clientes em 118 países.

Presente no Brasil desde 1996, a Indra é uma das principais companhias de Tecnologia da Informação do país. Conta atualmente com uma equipe de mais de 6.500 profissionais e ampla cobertura geográfica através de escritórios distribuídos nos principais estados brasileiros. A multinacional possui uma oferta diferenciada de soluções e serviços de alto valor agregado, com especial foco no desenvolvimento de soluções próprias que atendem os setores de serviços financeiros, energia e utilties, telecomunicações, administração pública e saúde, indústria, transporte e tráfego e defesa e segurança.

Comentários